10 PIBEssa semana teve importantes fatos no campo educacional.

O primeiro deles foi o anuncio do resultado de uma avaliação internacional sobre educação. Para a nossa alegria (?!) ficamos em penúltimo lugar, a frente apenas da Indonésia. Essa pesquisa foi realizada pelo Economist Intelligence Unit (EIU), pela Pearson, que é uma empresa que fabrica sistemas de aprendizado e vende seus produtos a vários países, ou seja, me parece um órgão não tanto confiável.

A outra informação, que saiu no jornal oposicionista Folha de São Paulo, é a de que o MEC alterou o valor dado ao quesito ‘professor com doutorado’ na avaliação do ensino superior. Com a nova fórmula, a proporção de professores com doutorado cairá de 20% para 15% da nota atribuída ao Conceito Preliminar dos Cursos (CPC).

Em contraposição, nesta semana, a Presidenta Dilma Roussef anunciou, com entusiasmo, a passagem do primeiro ano do PRONATEC. Os dados são monstruosos: no total, foram cerca de 2,5 milhões de matrículas em cursos de formação inicial e continuada e técnicos, sendo estes últimos com um total de 740 mil vagas.

Outro dado positivo foi apresentado pelo IBGE. Os dados da Síntese de Indicadores Sociais (SIS) demonstra ampliação do acesso a educação. Na década 2001-2011, especialmente na educação infantil (0 a 5 anos), onde o percentual de crianças cresceu de 25,8% para 40,7%. Outro valor positivo é está relacionado à proporção de jovens estudantes (18 a 24 anos) que cursavam o nível superior cresceu de 27,0% para 51,3%, entre 2001-2011, sendo que, entre os estudantes pretos ou pardos nessa faixa etária, a proporção cresceu de 10,2% para 35,8%.

Agora a grande ação deliberada pelo Governo Federal foi a medida que vinculará integralmente os recursos dos royalties à educação em concessões petrolíferas futuras, já a partir do ano que vem. Foi definido também que 50% da receita do Fundo Social do Pré-Sal irá para a educação. Fruto de reivindicação do movimento social – UNE, UBES, ANPG, CNTE, FASUBRA, ANDES,etc. – a Presidenta Dilma acabou escolheu esse caminho, em detrimento de decisão tomada, recentemente, pelo Congresso Nacional.

Segundo estudo realizado pela Campanha Todos pela Educação e o próprio MEC, com essa medida será possível alcançarmos, no ano de 2020, o patamar de investimento de 10% do PIB para a educação. Esse patamar de investimento é condição sine qua non para que tenhamos uma educação publica, gratuita, de qualidade e que seja acessível para todos, conforme redigido no Plano Nacional de Educação (2011-2020), ainda em votação no Senado Federal.

Líderes do PSDB, DEM já pronunciaram discordância com essa decisão da Presidenta Dilma. Por outro lado, os partidos do espectro da esquerda – PT, PCdoB – comemoram.

Portanto o que tenho visto é que, muito embora tenhamos tido avanços significativos na educação brasileira, as modificações não são fáceis e é preciso constante mobilização. Sei que a educação não resolve, por si só, todos os problemas nacionais, como é apregoado por alguns, mas tenho ciência que uma boa educação é peça fundamental para que tenhamos um país rico e sem miséria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s